Lugares e Memórias do Porto, a propósito do livro “Dai-lhes, Senhor, o Eterno Repouso”, de Miguel Miranda

 

 

 

 

 

 

 

 

 

:: Dia 10 | Sábado
Piano bar, 17h30

 15h00 – Roteiro sobre lugares do Porto, constantes do livro
Percurso pedestre, guiado e comentado pelo jornalista Germano Silva
Partida: Café Guarani, Avenida dos Aliados

 17h30 – Tertúlia literária com música
A propósito do livro, se falará do Porto, de lugares e memórias
Participantes: Germano Silva, Isabel Rio Novo, Agostinho Barrias, Miguel Miranda.
Moderador: Sérgio Almeida
Música: Isabel Ventura (voz) e Marco Figueiredo (piano)

 Sinopse: “Dai-lhes Senhor, o Repouso Eterno”, é um livro surpreendente, irónico, reflexivo e multifacetado.
Para além do movimentado romance policial, o leitor encontra uma abordagem a grandes problemas da actualidade, desde a pedofilia e a igreja católica, o uso indevido de tecnologia militar ex-soviética para fins inconfessáveis; a volatilidade do sucesso baseado na imagem; a desigualdade do mundo, onde grassa a miséria e habita a riqueza obscena; a ubiquidade do terrorismo internacional. Entre estas grandes questões, há pequenas histórias de muitas vidas, desde o mais picaresco ao extremo da sofisticação. É um livro pendular, oscilando entre fausto e despojamento; luz e sombra; amor e desamor; glória e morte.
A ameaça de um grande atentado contra o Papa desencadeia uma intrincada investigação. No meio eclesiástico, as mortes não explicadas sucedem-se, adensando o clima de suspeita e medo. O porta-aviões Varyag, transformado em casino flutuante, é palco para o assassínio de Lady Godiva e do multimilionário Rudyard Jefferson, envolto em mistério: Não há sinais de balas, veneno, asfixia, tóxicos, inalantes, concussão. É o assassínio perfeito.
Helmuth Draier viajava a bordo do Submarino U-1277, no fim da segunda guerra mundial, incumbido de uma missão secreta. Este submarino veio ser afundado junto ao Porto pelo seu comandante, tendo a tripulação desembarcado em botes na praia de Angeiras e desaparecido. Ninguém sabe o que aconteceu a Helmuth Draier.
Desvendar quem matou, como o fez e porquê, é um dos desafios para Mário França, o maior detective do mundo. O outro é mergulhar no passado e resolver um enigma. Do seu escritório no Muro dos Bacalhoeiros, será ao som do Requiem de Mozart que ele conduzirá a investigação até ao sucesso final.

Sobre o autor: Miguel Miranda é médico, chefe de serviço de Medicina Geral e Familiar. É autor de vários romances, contos, policiais e livros infantis. Recebeu o grande prémio do conto APE pelo livro Contos à Moda do Porto (1996); o prémio Caminho de literatura policial pelo livro O Estranho Caso do Cadáver Sorridente (1977); o premio Fialho de Almeida pelo livro A Maldição do Louva-a-Deus (2001); Está traduzido em Itália e representado em diversas colectâneas de contos. Entre outros, publicou os romances: Bailado de Sombras, Livrai-nos do Mal, Dois Urubus Pregados no Céu, O Silêncio das Carpideiras, O Rei do Volfrâmio, e os livros de contos a Mulher que Usava o Gato Enrolado ao Pescoço e Como se Fosse o Último. Dai-lhes Senhor, o repouso Eterno é o seu sexto romance.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s