UM SORRISO COMPRADO, de Vasco Parati

:: Dia 26 | Sábado

Piano-bar

18h00

Lançamento do romance UM SORRISO COMPRADOde Vasco Parati.

Um sorriso comprado:

Um livreiro e uma menina, cega, de idade avançada, que canta o fado como ninguém. E uma menina, mais nova, que a acompanha à guitarra e um jornalista, que aprecia a escrita como o ar e a liberdade que respira. E a paixão que ganha forma, numa cidade (o Porto?), na primeira metade do século XX, ameaçada pela repressão.

Um romance onde cada palavra vale por mil imagens e se prova que, afinal, comprar um sorriso pode valer a pena.

Leituras Reflectidas: Iris Murdoch

:: Dia 25 | Sexta-feira

Auditório

21h30

Fora do Texto

Leituras Reflectidas

Iris Murdoch

 Programa

21h30

Apresentação do projecto Fora do Texto: Leituras Reflectidas, apoiado pelo CETAPS, pela coordenadora, Professora Doutora Fátima Vieira (FLUP)

21h40

Apresentação do livro Iris Murdoch, Philosopher Meets Novelist,

pela Professora Doutora Maria de Fátima Marinho (FLUP)

 22h00

 Leitura dramatizada de excertos de 

Uma Cabeça Decepada de Iris Murdoch

João Ferreira (in skené-gTAG), com Sofia de Melo Araújo (in skené-gTAG)

22h15

 Mesa Redonda sobre a obra de Iris Murdoch

Professora Doutora Fátima Vieira (moderadora),

Professor Doutor Rui Bertrand Romão (UBI)

Sofia de Melo Araújo (FLUP).

Lançamento do livro “Zonas de Contacto”

:: Dia 19 | Sábado

Auditório

21h30

Lançamento do livro “Zonas de Contacto”

Introdução

Apesar de o regime salazarista ter fomentado a auto-imagem de um Portugal «orgulhosamente só» e de um país de «brandos costumes» adverso aos ventos extremistas que sopravam do resto da Europa, posicionamento que durante a II Guerra Mundial se configuraria sob a forma de uma ambígua «neutralidade não beligerante», é inquestionável que no auge do(s) fascismo(s) europeu(s) o jovem Estado Novo manteve intensas relações quer com as democracias ocidentais quer com os países com governos de cunho nazi-fascista. Neste contexto, os multifacetados contactos entre o Estado Novo e o Terceiro Reich, sobretudo durante os anos anteriores à guerra em que se assistiu a uma fascização dos respectivos regimes assente em diversas «afinidades electivas» ao nível ideológico, mas também durante o próprio período do conflito bélico, constituem, porém, um capítulo da história portuguesa e alemã ainda relativamente pouco conhecido do público em geral.

Face ao terror e horror que caracterizou uma época que culminaria na carnificina da II Guerra Mundial e na barbárie do Holocausto – trauma esse que, por razões óbvios, afecta de forma mais intensa as memórias colectivas das vítimas e dos agressores mais directos – não surpreende que esse período das relações entre Portugal e a Alemanha tenda a tomar a configuração dum recalcamento e, por conseguinte, a apagar-se dos respectivos mapas nacionais de memórias. E, no entanto, é facto iniludível que esse relacionamento existiu, pelo que se poderá falar de uma memória intercultural luso-alemã sobre a qual é necessário discutir em moldes críticos e desapaixonados.

Com este volume, que reproduz diversas comunicações apresentadas durante um colóquio com o título homónimo, organizado, em Outubro de 2008, na Universidade do Minho pelo Departamento de Estudos Germanísticos, pretende-se, assim, dar maior visibilidade às múltiplas «zonas de contacto» ao nível político, económico, científico, cultural e artístico, de forma a contribuir para um conhecimento mais diferenciado de uma História que é, em certos aspectos, comum a dois diferentes países e sociedades.

Ainda que o presente livro incida sobre as relações luso-alemãs durante a época das ditaduras de massas ora mais ora menos fascizadas, é de sublinhar que o objectivo dos estudos multidisciplinares aqui reunidos não é o de debater – nem, muito menos, o de clarificar – se o Portugal salazarista foi ou não uma forma sui generis do fascismo ou se o Estado Novo representou um regime comparável ou mesmo semelhante ao nazismo. Essa discussão em torno de definições tipológicas é, a nosso ver, bastante infrutífera, porque será sempre condicionada por esquemas e posicionamentos ideológicos que dificultam uma revisitação o mais objectiva possível dos tempos e fenómenos políticos e socioculturais aqui em questão.

Composto de contributos advindos de diversas áreas de estudo, com este volume visa-se, pelo contrário, romper com as visões disciplinar e ideologicamente pré-condicionadas que resultam, muitas vezes, em imagens a preto-e-branco ou cor-de-rosa da era do(s) fascismo(s) europeu(s). A concepção expressamente transdisciplinar em que assenta, ou seja, a sua multiplicidade de perspectivas sobre os mais diversos domínios, que vão do intercâmbio cultural e académico passando pelas relações económicas até à cooperação de um cunho mais político, permite, por via de uma abordagem policontextual e pluridisciplinar, uma visão bastante mais abrangente, ao mesmo tempo que mais diferenciada, duma época das relações entre Portugal e a Alemanha que se configura mais complexa e intensa do que modo geral se pressupõe. Não se tratando de uma publicação pioneira sobre as relações entre o Estado Novo e o Terceiro Reich num sentido mais lato, é, no entanto, esta convergência de diferentes olhares e abordagens por especialistas oriundos de diferentes áreas disciplinares que distingue este volume na paisagem editorial portuguesa e alemã.

Os organizadores

Mário Matos & Orlando Grossegesse Brag

Margarida Fonseca Santos apresenta O Segredo da Floresta

3 de Novembro – 5ª Feira

21h30 – Auditório

Apresentação dos livros de canções Histórias de Cantar e O Segredo da Floresta de Margarida Fonseca Santos


Margarida Fonseca Santos 

http://margaridafonsecasantos.blogspot.com/

http://www.margaridafs.net/

A história…

Nasceu em Lisboa, a 29 de Novembro de 1960. Tirou o Curso Superior de Piano no Conservatório Nacional, tendo como objectivo ser professora de Formação Musical no ensino vocacional. Deu aulas em várias escolas, nomeadamente na Escola Superior de Música de Lisboa entre 1990 e 2005.

Começou a escrever em 1993 e neste momento dedica-se a tempo inteiro à escrita. Tem vários livros publicados, na sua grande maioria para crianças e jovens, e escreve com regularidade para teatro.

Orienta ateliers de escrita com crianças, adultos e professores (Escrita Criativa, Escrever teatro para Crianças e Jovens, e Escrever para Crianças e Jovens). Publicou, em co-autoria com Elsa Serra, o manual de Escrita Criativa Quero ser escritor!

É membro fundador do Clic – Clube de Literatura, Ilustração e Cª . É responsável pela rubrica histórias em 77 palavras na revista Pais & Filhos, com ilustrações de Francisca Torres.

Foi responsável pela coluna Crescer a ler do Suplemento de Educação do Jornal de Letras, e pelo apontamento “Bicho-de-conta” (contos para crianças) na Antena 1, Programa “À volta dos dias”.

Ganhou vários prémios de onde se destacam Prémio Revelação Ficção APE/IPLB e Prémio Nacional do Conto Manuel da Fonseca (1996).

Paralelamente trabalha treino mental para a performance, bem como o uso pedagógico e terapêutico da metáforahttp://www.dglb.pt/sites/DGLB/Portugues/autores/Paginas/PesquisaAutores1.aspx?AutorId=10131

O Segredo da Floresta

Depois do sucesso alcançado com o primeiro projecto de CantaStórias em 2009, com inúmeros concertos esgotados, chega agora o novo projecto O Segredo da Floresta, que uma vez mais “canta” as histórias para crianças.

O Segredo da Floresta conta o que os animais, todos juntos, descobriram.
“Chega um recado e diz que vão receber uma prenda. Os animais ficam à espera, pensando no que poderá ser. As horas passam e nada acontece. Para se entreterem, começam a contar histórias uns aos outros. Entre risos e gargalhadas, recebem a melhor prenda do mundo, a amizade.”
Margarida Fonseca Santos, autora de livros infantis, voltou a juntar as suas histórias e músicas às orquestrações de Francisco Cardoso, à frente de um grupo de músicos com vasta experiência em comunicar com crianças.

Geniusymeios

Histórias de Cantar

“Este livro é o resultado do meu trabalho com crianças na área da Iniciação Musical. Todas as canções foram escritas/compostas para um grupo de crianças em especial. Depois… depois aconteceu uma coisa espectacular. Surgiu a hipótese de fazer o CD com a Juventude Musical Portuguesa. O Francisco Cardoso tomou conta dos arranjos e das gravações, fazendo um trabalho magnífico. A Carla Nazareth, com a doçura que a caracteriza, transformou-as em ilustrações absolutamente lindas.

O resultado é este livro/CD, que inclui no final um dossier pedagógico acerca do ensino de canções e o relato de várias experiências em que as artes se cruzam, experiências que pretendem apenas servir de inspiração para quem anda nesta cruzada do ensino da música, do teatro, das artes plásticas, da dança…”

Margarida Fonseca Santos

I Encontro Literário da Associação Florbela Espanca

:: Dia 29 | Sábado

Auditório

17h

I Encontro Literário da Associação Florbela Espanca

Neste I Encontro do Clube de Leitura da Associação Florbela Espanca, propõe-se uma leitura crítica e uma reflexão sobre uma obra notável da literatura portuguesa.

Aparição, de Vergílio Ferreira, obra maior do existencialismo português, propõe uma introspecção sobre a essência do Homem e o absurdo da morte. A angústia de se saber grande e simultaneamente finito é o problema que leva Alberto Soares a procurar soluções  ” … só há um problema para a vida, que é de saber, saber a minha condição… ter a evidência ácida do milagre que sou, de como infinitamente é necessário que eu esteja vivo, e ver depois, em fulgor, que tenho de morrer…”.

O encontro contará com a presença de Rogério Silva, professor de língua e literatura portuguesa na cidade do Porto.


A Casa do Mirante, de Marta Neves

:: Dia 23 | Domingo

Auditório

16h30

Apresentação do livro

A Casa do Mirante, de Liliana Anes

Apresenta por José Cândido Martins, professor de Literatura Portuguesa na Faculdade de Filosofia da Universidade Católica (Braga).

Sobre a obra:

Já alguma vez se perguntou, quando passa por uma casa em ruínas, sobre a vida que animou os espaços, os sonhos que percorreram as paredes, os amores e desamores que se cruzaram pelos corredores?

Esta é a história a duas vozes de seis mulheres, das suas lutas, dos seus anseios, das suas tentativas de serem felizes. Seis pessoas, seis personalidades que, dentro dos condicionantes de uma sociedade impiedosa, lutam, cada uma à sua maneira, pela sua libertação.

Entrar n’A Casa do Mirante é mergulhar nos meandros da alma humana e sentir os laços que se atam e desatam ao longo da vida.

Talvez nos sintamos em sintonia com algumas, talvez discordemos de outras, mas de certeza que nos enterneceremos com a sua história. Apesar da distância que se perde no tempo, tanto ontem como hoje, todos ansiamos pelo mesmo: sermos felizes!

Sobre a autora: 

Marta Gomes nasceu em Vila Real há 33 anos e vive em Braga desde 1996, ano em que entrou para a Faculdade de Filosofia da Universidade Católica para estudar Humanidades.

Ama a literatura e o cinema, considera a música a banda sonora da vida, é apaixonada pela dança e não vive sem escrever.


					

Apresentação do livro “Música, Educação Artística e Interculturalidade” com conferência sobre a interculturalidade e o mundo moderno

Sábado, dia 9
Piano bar, 17h30

A apresentação do livro “Música, Educação Artística e Interculturalidade”, da autoria da Professora Doutora Maria do Rosário Sousa, seguida de uma conferência sobre o tema, no piano bar do CLP. A Localvisão esteve presente e registou o momento, além de ter entrevistado a autora. Para ver a reportagem basta clicar aqui.

Oradora Professora Doutora Maria do Rosário Sousa (autora do livro)

Clube de Leitores

Domingo, dia 3
Piano bar, 17h00

Autores: Albino Santos (autor da obra “A Evocação do Teu Nome”) e Raquel Branco (autora da obra “Lado B”)
Ambos os livros são de poesia, sendo que no caso do Albino Santos é o seu 8.º livro, e no caso da Raquel Branco o 1º.

Organização: CLP/ Edita-me