Concerto: Piano e Saxofone

:: Dia 3 | sexta -feira

Piano bar, 2 2h30

Concerto

Isabel Anjo, saxofone

Ana Maria Teixeira, piano

Isabel Anjo iniciou os seus estudos musicais com o seu pai Jorge Anjo.
Estudou no Conservatório de Música do Porto na classe do professor Francisco Ferreira. Licenciou-se em Saxofone pela Escola Superior de Música e das Artes do Espectáculo do Porto, na classe do Professor Henk van Twillert.
É Pós-Graduada em Ciências da Educação/Políticas Educativas na Faculdade de Psicologia e Ciências da Educação da Universidade do Porto.
É membro da Banda Sinfónica Portuguesa desde a sua fundação.
É professora de saxofone no Conservatório de Música do Porto, Academia de Música de Santa Maria da Feira, Academia de Música de Paços de Brandão e Fórum Cultural de Gulpilhares.

Ana Maria Ferreira Teixeira
Oriunda de família com tradições musicais, iniciou os seus estudos de piano com a professora Marília Rocha. Mais tarde ingressou no Conservatório de Música do Porto onde concluiu o Curso Complementar de Piano na classe da professora Isabel Rocha
Seguidamente aperfeiçoou os seus estudos musicais com a pianísta Helena Sá eCosta, com quem estudou particularmente.
Mais tarde ingressou na Escola Superior de Música e Artes do Espectáculo do Porto, onde completou Curso Superior de Piano na classe da professora Madalena Soveral.
Actualmente exerce funções docentes e na Escola de Musica de Perosinho e Academia de Música de Santa Maria da Feira.

Anúncios

Lançamento Ranhura de Carlos Vinagre

:: Dia 21|  sábado

 
Piano-bar , 22h00 
 

Escrevo pelas nuvens. A água desaba pela centopeia. Na boca ferve o diospiro. Bate o que  estranho. Encontro o diadema sem corpo. Estonteia o coração. O estalo abre o músculo perante a descoloração do mundo.

Assim paira o ina-nítido. 

(Ranhura, 2011, Carlos Vinagre) 

Imagem 

Lançamento 

Ranhura de Carlos Vinagre

 

Apresentação

Joana Espain e Bruno Miguel Resende 

 

seguido de concerto pela Tuna  Elétrica da Timpeira:

Cristina Cigre (voz), Pedro Vaz de  Carvalho (guitarra), Mário Prata (guitarra).

Carlos Vinagre: nasceu em 1988 e reside em Espinho. Até ao momento publicou Moluscos de Mântua ( 2009 ) e Ranhura ( 2011 ).Preside a Associação Cultural Extrapolar e é responsável pelo blogue www.acextrapolar.com/blog. Escreve regularmente em  www.carlosvinagre.blogspot.com

 

Tuna Elétrica da Timpeiraé o resultado musical de muitos e bons anos vividos na localidade da Timpeira em Vila Real, numa pequena e velha casa agrícola transformada em clube musical 

 

“Reflexões sobre a Doutrina do Quinto Império”

:: Dia 21|  sábado

  Piano bar , 16h00 

Palestra Imagem

 

“Reflexões sobre a Doutrina do Quinto Império” pretende apresentar uma nova doutrina espiritista e espiritualista, racional e cintífica de base cristã que na História da Humanidade e pela primeira vez se apresenta como única, sendo completamente diferente de quaisquer correntes ou movimentos filosóficos ou religiosos então surgidos ou existentes estando naturalmente vocacionada para vir a ser um novo movimento idealista fundamentado nos princípios científicos do Evolucionismo e mobilizador de uma nova missão dos Portugueses no mundo”.

Orador: Jacinto Alves 

Jazz no Clube Sara Miguel Quarteto

:: Dia 20 |  sexta-feira

piano-bar, 23h00

Jazz no Clube

Sara Miguel Quarteto

A voz suave e intimista de Sara Miguel junta-se a um trio de excelentes novos valores do panorama do jazz nacional para apresentar alguns originais e revisitar standards de jazz, conferindo-lhes uma roupagem própria e original pela adição de influências de outros ritmos e sonoridades do mundo. Com Filipe Monteiro na bateria, Ricardo Pinto no piano e Sérgio Tavares no contrabaixo.

Imagem

Exposição de pintura Sedução…de Albertino Valadares e Marisa Silva

Imagem

Albertino Valadares             

Nascido em 1959, reside em Fânzeres, Gondomar.

 – Sócio Fundador actual Presidente da ARGO – Associação Artística de Gondomar.

– Sócio da Sociedade Nacional de Belas Artes.

– Membro da Sociedade Portuguesa de Autores. 

– Associado do Lugar do Desenho – Fundação Júlio Resende.

– Foi coordenador e responsável da pagina o “Lugar do Artista”, do Jornal O Repórter de Gondomar.

– Foi coordenador e responsável pelas páginas “Conversas de Atelier” e “Dar a conhecer…”, do Jornal Gondomar Actual.  

Participou em inúmeras exposições colectivas e conta com 26 exposições individuais. Está representado em varias colecções particulares nacionais e estrangeiras e obteve diversos prémios e distinções.

 

BIBLIOGRAFIA

 . “Artes Plásticas, Portugal, o Artista e seu Mercado” de Narciso Martins.

. “50 Anos de Pintura e Escultura em Portugal” da Universidade Editora, Lda.

. Revista Casa Cláudia – Outubro de 1998.

. Revista Casa & Jardim – Setembro de 1999.

. Pintura Contemporânea Portuguesa – 100 Pintores – 2009.

 

PRÉMIOS E OUTRAS DISTINÇÕES 

. Conjunto de quatro obras apresentadas a concurso de Pintura e Desenho, promovido pela        Associação de Estudantes da Faculdade de Ciências do Porto – 1991                               

. Participou no WORKSHOP, a convite da Câmara Municipal de Valongo   na semana dedicada a juventude,  intitulada  “Concelho Vivo,   Valongo  Jovem”.  Parque da Juventude – 1998.                                                                                                                                                                             

. Prémio Governo Civil do Porto – 2000

. Painel cerâmico na Piscina Municipal de Fânzeres – 2001                                           

. Autor do troféu “Nabos de Ouro – 2001” – Jornal Gondomar Actual – 2002                

. Artista convidado para exposição individual na ARTIS II – Festa das Artes em Seia – 2003

. Edição de 200 Litografias do Painel Cerâmico na Piscina Municipal de Fânzeres – 2004

. Artista convidado para a exposição “Gens’Arte 2006”, Gens – Gondomar – 2006

  

Marisa Silva

 Marisa Silva, Gondomar. Formada pela Escola Soares dos Reis, ESTG e ESAP em Artes Visuais, Design de Produto e Arquitetura respetivamente, profissionalmente dedica-se ao design e arquitetura de interiores.

Em Setembro de 2006, efectuou um workshop de Pintura Cerâmica, ministrado pelo ceramista Rui Pinto, no museu Municipal de Viana do Castelo.

Como designer de mobiliário, actividade onde também se manifesta a sua criatividade, participou em 2007, numa exposição em Paços de Ferreira, na “capital do móvel 07” .

No âmbito de uma iniciativa do Gabinete de Apoio ao Artesão da Argo, em levar o artesanato às escolas do concelho, também participou mostrando os seus trabalhos artesanais às novas gerações. As escolas onde expôs forma a EB2/3 de Gondomar e a EB2/3 de Valbom.

Paralelamente dedica-se à pintura e à joalharia contemporânea.

É associada da Argo e membro da sua direção, sendo ainda a diretora artística e técnica do Grupo Sururus – Grupo de Teatro da Argo.


Exposições colectivas

 

2004 . Exposição Gens’Arte 2004.

2004 . Comemoração do 70º Aniversário da Associação Recreativa de Laborim.

2005 . Exposição Gens’Arte 2005, organizada pela mesma associação.

2006 . Exposição organizada pela Argo.

2008 . Artistas . Gondomar.

2008 . Reciclar com Arte – Casa Juventude de Rio Tinto.

2009 . IV Prémio de Arte Erótica e 3ª FotoErótica de Gondomar.


Exposições individuais

 

2005 . Galeria Casa d’Eros no Porto.

2006 . Galeria Casa d’Eros no Porto.

2007 . Feira Capital do Móvel.

2008 . Salon Maison et Oblect, Paris.

Apresentação do livro “O drama espiritual de Javé”, de Jan Val Ellam (pseudónimo usado pelo escritor brasileiro Rogério de Almeida

:: Dia 25, domingo
Auditório, 21h00

Apresentação a cargo do Prof. Rui Fonseca

Será que realmente existe um ser criador deste universo? Se
não, por que a penosa história das gerações dos nossos antepassados que se
viram obrigados a lidar com um ser que, sem jamais ter-se feito objectivamente
presente aos olhos desta humanidade, ainda assim, como se prisioneiro de outra
dimensão existencial, esforçou-se por se apresentar como Brahma, depois Javé e
mais tarde Allá, e que continua insistindo em se auto afirmar como o criador
deste universo?

Será que este ser existe mesmo ou tudo o que aconteceu com
os arianos/hindus, posteriormente com os hebreus/judeus e, mais recentemente,
com os povos árabes é pura invenção ou loucura de uns poucos, dentre os quais
figuras como as de Moisés e de Maomé?

Qual o sentido que se pode encontrar no fato de seres
humanos distintos, que viveram em épocas diferentes, mas sempre envolvidos por
eventos estranhos, continuadamente viessem a “inventar” um mesmo enredo em
torno de um personagem inexistente?

Esta entidade vem tentando desesperadamente, ao longo dos
séculos e milênios, fazer-se percebida e acreditada pelos terráqueos como sendo
o Pai Criador de todos os seres que existem na sua obra universal. E parte do
seu grande problema é que o seu intento jamais logrou o resultado pretendido.
Encontra-se em curso a sua última tentativa junto aos terráqueos― a sua
situação pessoal não lhe permitirá outra ― de se fazer notar como ser criador
de tudo o que se conhece a partir da ótica terrena.

O “Drama Espiritual de Javé” é mais um dos enigmáticos
painéis que cercam esta personagem na sua história impensável e desconhecida
que agora se revela para os que vivem na Terra.

Lançamento do livro “Amo um Anjo”, de José Almeida

:: Dia 24, sábado
Auditório, 21h00

Sobra a obra: Como afirma Rogério do Carmo, referindo-se à obra inaugural de José Maria Almeida, “um Poema é a total entrega dum ser
humano ao Imenso Universo!”, mas também o encontro do poeta com o Outro na sua produção de “individuais eternidades”.

“Amo um anjo”, primeira obra de poesia de José Maria Almeida, é um objecto literário que reflecte essa exploração do Eu, no sentido
em que decorre da descoberta das palavras, da escrita, através das quais se dá a expressão de alteridade, numa “torrente impetuosa que ninguém jamais poderá deter”. O que começou como registo de uma preciosa memória ganhou, então, a forma de um hábito de escrita poética que faz já parte da sua forma de estar na vida e nas palavras e esse é um traço de evolução evidente na primeira obra de José Maria Almeida, agora trazida ao público.

No prefácio que assina na compilação dos primeiros poemas do autor, Maria João Saraiva não hesita mesmo dizer: “As palavras que este livro
abriga enlaçam-se por um delicado fio de esperança na vida, no outro, nesse outro que acorda e acende manhãs adormecidas, sonhos de se ser.”

Sobre o autor: José Maria Almeida nasceu em 1970, em Guimarães, cidade de grandes referências históricas que desde cedo o colocaram
em contacto com as memórias e os seus registos. Ainda que num registo diferente, essa é uma preocupação presente em cada rua de cada um dos seus versos.

Influenciado por esse ambiente e pela ascendência familiar (é neto do Historiador José Maria Pinto de Almeida), desde sempre José Maria
Almeida esteve ligado ao universo dos livros, primeiro pelo gosto pela História, depois pela literatura e mais tarde pela Filosofia. Vem a concretizar os seus interesses pela via dos estudos em Direito (actualmente, exerce advocacia) e, mais recentemente, pela descoberta da escrita como forma de expressão artística.

No seu primeiro livro de poemas, “Amo um Anjo”, o autor traça caminhos e estradas num mapa que é feito de palavras e ventos, de
memórias e de silêncios, proporcionando, nesse encontro com os versos com que o poeta se ensaia, ao leitor a descoberta, então, das asas e dos anjos a que esses ventos conduzem, num poético fechamento sobre o corpo.

“Amo um Anjo”, a primeira obra de poesia de José Maria Almeida, é presentada ao público no próximo dia 24 de Setembro, pelas 21h30, no
Clube Literário do Porto.

Morreu Júlio Resende [1917-2011]

RECORDANDO JÚLIO RESENDE

Duas palavras

Quando pela primeira vez entrei no CLP “pela mão do Carlos”, logo
senti uma atmosfera aprazível, e, curiosamente, tão própria a falar com os meus
pares, que o mesmo é dizer “sem rodeios”. Que me perdoem as elites,
que as há, mas refiro-me às outras que proliferam…

Estou crendo que o Clube Literário do Porto nasceu por “geração
espontânea”, e vai crescendo creditando os méritos de acção da sociedade
civil, à qual, o Poder vai fazendo apelo.

Felicitando quem o gerou estarei a dar-lhe o meu incentivo. (…)

Resende
Out 2007

*******************************

Vida e Obra

Diplomou-se em Pintura em 1945 pela Escola Superior de Belas-Artes do Porto, onde foi discípulo de Dórdio Gomes. Fez a sua primeira aparição pública em 1944 na I Exposição dos Independentes.  Em 1948, partiu para Paris, recebendo formação de Duco de la Haix e de Otto Friez. O trabalho produzido em terras gaulesas é exposto em Portugal em 1949 e as propostas a(c)tualizadas que Resende demonstra são acusadas pelos artistas portugueses, definindo a sua vocação de expressionista. Assimilou algum cubismo, vai construir na sua fase alentejana, e mais tarde no Porto, uma pintura caracterizada pela plasticidade e dinâmica, de malhas triangulares ou quadrangulares, aproximando-se de forma progressiva da não figuração. Do geometrismo ao não figurativismo, do gestualismo ao neofigurativo, a sua arte desenvolve-se muma encruzilhada de pesquisas, cuja dominante será sempre expressionista e lírica. Pintor de transição entre o figurativo e o abstra(c)to, Resende distingue-se também como professor , trazendo à escola do Porto um novo espírito aos alunos que a frequentaram na década de 1960.

A obra pictórica de Júlio Resende revela que ele compreendeu a pintura europeia, porque a observou, experimentou e soube transmitir aos pintores e aos alunos que ele formou na Escola Superior de Belas-Artes do Porto.

Morreu, hoje, aos 93 anos.

Jazz no Clube

:: Dia 16, sexta-feira
Piano bar, 23h00

Cool Jazz Trio

Um tributo aos trios com mais “swing” da história do Jazz

Paulo Gomes, piano
José Carlos Barbosa, contrabaixo
Acácio Salero, bateria

Formado em Julho de 2011, este grupo dedica-se à interpretação do repertório de jazz clássico. O estilo que praticam é baseado numa estética pós-bop (a partir dos anos 50), que bebeu inspiração em correntes mais antigas, como o “Swing” e o “Stride” (anos 20 e 30). Os trios de Oscar Peterson, ou Ahmad Jamal, são a referência principal para este projecto de três músicos do Porto.